Sobre a conscistência do orgânico abstrato